Música

Banda ou DJ? Oh, dúvida cruel!

Para muitos casais, a hora de escolher quem vai embalar a trilha da cerimônia e da festa, é, sim, de muitas dúvidas. O noivo prefere o DJ pela animação e a noiva, a banda, pela presença. E aí? Qual dos dois é o melhor? A maior preocupação da maioria dos casais que estão organizando o casamento costuma ser os gastos. Muitos não têm como realizar o sonho de uma grande festa, mas, mesmo assim, cuidam para que tudo corra com perfeição, independentemente do investimento. E a recepção dos convidados, com tudo o que isso abrange, precisa ser muito bem planejado: comida, bebida e doces, mesas, cadeiras e lounge, flores, toalhas e talheres e. A recepção é um momento de descontração, comemoração e interação entre os convidados e os anfitriões e cada festa tem a sua animação, independente do estilo de cada uma.

Só que não dá para pensar em festas de casamento, sem pensar em música. Assim como a música de entrada da noiva e da bênção das alianças, a trilha sonora da recepção precisa ser muito bem pensada, porque vai ditar o ânimo dos convidados. Por isso, na hora de decidir quem vai embalar a tão esperada festa, as dúvidas são inevitáveis: Banda ou DJ? Se a principal preocupação do casal é com os gastos, um DJ, sem dúvida, é a opção mais barata. Se o espaço escolhido para a recepção dos convidados é pequeno, o DJ também é a melhor opção, já que as instalações necessárias para a animação da festa comportam em um espaço pequeno. A maior vantagem de DJ, é que a música nunca para de tocar, mesmo que a festa vare a madrugada. Isso significa pessoas animadas por mais tempo. E se o assunto é variedade de estilos, para agradar a todos os convidados, com um DJ ela também é maior que com uma banda. A outra opção é a banda, cujas principais características são a possibilidade de mais liberdade e interação com o público e o fato de que, quando os músicos fazem uma pausa, todos podem descansar um pouco: os convidados que estavam dançando, fazem uma pausa para uma bebida e os que não estavam na pista, circulam e conversam com mais liberdade.

E, se a banda escolhida for com dançarinos ou fizer shows temáticos, por exemplo, a festa fica muito mais animada e agrada àqueles que preferem as cadeiras às pistas: quem não dança, assiste à apresentação da banda. A desvantagem indiscutível sobre a banda é, sem dúvida, o custo. Quanto maior o número de músicos e dançarinos, mais caro será. E o valor também é atrelado ao tempo de duração da recepção. Então, para escolher, é bom que o casal tenha em mente uma lista prévia de músicas ou, pelo menos, dos artistas que mais gostam, e do quanto estão dispostos a investir. E, com isso, pesquisar, sempre com um detalhe em mente: a avaliação do talento, tanto do DJ quanto da banda, é fundamental, para que não haja surpresas desagradáveis.

1 de março de 2017 / por / em
Só faltam as músicas!

Pode parecer pouco, mas não é. A entrada dos padrinhos, das damas e principalmente dos noivos são o ponto alto e a trilha sonora é o que mais será lembrado. Os noivos podem acertar nas cores, nas roupas e na decoração, mas o erro na escolha das músicas pode tornar a data menos marcante. Isso, porque a trilha sonora do casamento estimula a emoção dos noivos e dos convidados e ainda dá aquele toque pessoal à cerimônia. Hoje, mais do que nunca, os casais estão buscando músicas atuais, que tenham algo a ver com a história de amor deles, assim como fazem com todas as outras escolhas. E como o assunto é personalização, é possível encontrar profissionais de corais e orquestras que criam arranjos especiais para cada música escolhida pelos noivos. Só que, apesar de haver essa possibilidade, a maioria dos casais ainda prefere coloca na lista músicas consagradas, como a marcha nupcial. Musicistas que atuam em casamentos há muitos anos garantem que, por mais que queiram personalização, os casais ainda optam pela tradição, o que agrada a todos os gostos e, mais importante, não tem erro.

Mas como escolher as músicas? A primeira regra é a antecedência. Especialistas aconselham um tempo mínimo de oito meses para a procura por profissionais, embora há os que garantam um ano o melhor tempo para essa busca. Sem essa escolha, de pouco adianta aquelas músicas lindas e emocionantes, já que os músicos precisam conhecer a lista e aceitar novos arranjos. Outra regrinha importante é conhecer as letras das músicas escolhidas e, no caso das estrangeiras, a tradução. Mesmo que o casal ame aquela melodia, é necessário que as músicas seja adequadas à ocasião, com letras românticas e bonitas, que contem histórias de sonhos realizados, felicidade, união e fé. Nada de escolher para a troca das alianças, aquele hit lindo, cuja tradução faz todo mundo chorar. Fique atento às dicas! Harmonia é a palavra de ordem! Desde a entrada dos noivos até o final, as músicas precisam ser harmônicas entre si. O clássico, o popular e o rock não têm a mínima relação. Assim como a cerimônia é feita de fases tradicionais, o setlist dos noivos também tem que ser. A música para a entrada do noivo deve ser escolhida por ele. Na entrada de daminhas e pajens, é comum uma canção que remeta à infância. Para a entrada mais aguardada do evento, a da noiva, outra canção.

A famosa Marcha Nupcial é a mais pedida, mas há muitas outras que garantem charme e emoção ao momento. Tudo fica por conta do gosto de cada casal. Para a bênção e a troca das alianças, por menos que a cerimônia esteja seguindo ritos religiosos, o tema costuma ser a famosa Ave Maria ou Agnus Dei. Na hora dos cumprimentos, uma canção ainda calma, que combine com os estilos dos pais e da família dos noivos é a pedida. E, para a saída do recinto, finalmente, o tema precisa ter um ritmo mais alegre. Para acabar com as dúvidas e ajudar na escolha das músicas, é importante a consulta a um profissional, para sugestões. Ah, e um teste com os músicos, para a comprovação da qualidade, também é fundamental.

1 de março de 2017 / por / em